Mudanças no manejo de plantas daninhas ao longo dos últimos anosvoltar

Publicado em : 29/06/2017
Mudanças no manejo de plantas daninhas ao longo dos últimos anos
Rafael Feliciano: “O setor deve se unir para combater as plantas daninhas”. Foto: Arquivo CanaOnline

É por conta de tantas alterações na dinâmica das plantas daninhas nos canaviais que o controle é tão complexo. O técnico em desenvolvimento de mercado da BASF, Rafael Factor Feliciano, destaca que, no passado, quando se falava em manejo de daninhas, apenas alguns fatores eram levados em conta, como textura do solo, espécie infestante e seu estágio de desenvolvimento e as características físico-químicas e residuais de alguns herbicidas.


Nos tempos atuais, segundo ele, esse número mais do que dobrou e agora inclui:

• Textura do solo – não apenas porcentagem de argila, mas também de matéria orgânica
• Implantação e estudo da matologia
• Características físico-químicas e residual de todos os herbicidas
• Comportamento das variedades - sensibilidade aos herbicidas e velocidade de crescimento
• Modalidade de aplicação - dessecação, dessecação com residual, PPI, pós-plantio, etc
• Plantio manual ou mecanizado
• Colheita crua ou queimada
• Cultivo escarificado ou não
• Aleiramento da palha

Feliciano ressalta que uma das mudanças mais sentidas foi na época de aplicação dos herbicidas, já que, anteriormente, elas se concentravam apenas nos períodos úmidos do ano, enquanto que, agora, podem ocorrer o ano todo e com muitas variáveis a serem levadas em conta.

“A cana de 18 meses, por exemplo, possui uma complexidade maior, já que ela ocorre em diversas épocas. Ás vezes, o produtor faz o plantio na época úmida e quebra o lombo na seca. Dessa forma, a estratégia no pós-plantio não serve no quebra-lombo. A cana de ano, por outro lado, é diferente, pois ela acontece 100% na presença de umidade.”

Para Feliciano, é essencial saber exatamente a época de aplicação do herbicida para correlacionar com as características físico-químicas do mesmo. “O conhecimento a fundo do produto se torna, portanto, fundamental.”

Entre os itens que devem ser correlacionados com as épocas de aplicação, destacam-se:

• Pressão de Vapor (P): Temperatura / Umidade do ar.
• Degradação da molécula: Fotodegradação / Degradação microbiana
• Coeficiente de sorção (Kd / Koc): Moléculas ligadas / Moléculas livres
• Coeficiente distribuição octanol/água (Kow): Moléculas lipofílicas ou hidrofílicas
• Solubilidade (S): Máxima quantidade do herbicida dissolvido na água
• Koc e Kow: Diretamente proporcionais
• Solubilidade x Koc e Kow: Inversamente proporcionais

Veja matéria completa na editoria Fitotécnico na edição 43 da revista Digital CanaOnline. No site www.canaonline.com.br você pode visualizar as edições da revista ou baixar grátis o pdf.
Mas se quiser ver a edição com muito mais interatividade ou tê-la à disposição no celular, baixe GRÁTIS o aplicativo CanaOnline para tablets e smartphones - Android ou IOS.


Fonte: CanaOnline
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •