Pesquisas buscam entender relação entre os herbicidas, variedades e ambientes de produçãovoltar

Publicado em : 29/06/2017
Pesquisas buscam entender relação entre os herbicidas, variedades e ambientes de produção
Roberto Toledo é um dos profissionais que busca entender melhor o manejo de herbicidas em MPB. (Foto: Divulgação Ourofino Agrociência)

Com tantas dúvidas relacionadas ao manejo de plantas daninhas em mudas pré-brotadas, a Ourofino Agrociência iniciou um extenso trabalho de pesquisa em sua estação experimental visando entender a sensibilidade de algumas variedades em determinados ambientes de produção quando tratados com diferentes herbicidas do portfólio da marca. O projeto vem sendo realizado junto aos principais programas nacionais de melhoramento genético, como o Instituto Agronômico (IAC), o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) e a Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético (Ridesa).


“Para fazer uma recomendação correta, devemos, primeiramente, entender todos os fatores que influenciam o manejo de plantas daninhas, como características físico-químicas de cada herbicida, sensibilidade das variedades de cana-de-açúcar e qual o ambiente de produção em que aquela muda será instalada, sendo que esse item envolve clima e textura do solo, além de intensidade e regularidade de chuvas”, explica Roberto Toledo, gerente de produtos herbicidas e cana-de-açúcar da Empresa.
A Empresa ainda não possa divulgar os resultados de sua pesquisa, mas Toledo adianta algumas informações. “Observamos que algumas variedades localizadas em solos de textura média e em períodos úmidos são mais sensíveis as doses cheias de determinados produtos. Dessa forma, temos que usar doses menores e complementá-las com outro herbicida para obter resultados de controle. O sulfentrazone é um exemplo que, em certos materiais, deve ter sua dose reduzida.”

Outras moléculas que podem ser trabalhadas em mudas pré-brotadas, mas cujas doses devem ser ajustadas nas variedades testadas pela Ourofino Agrociência, incluem a atrazina, diuron, metribuzin, clomazone e tebuthiuron. “Porém, é importante lembrar que a dose e o produto dependem de cada cultivar e de seu ambiente de produção. As variedades CTC 20 ou CTC 11, por exemplo, localizadas em solos de textura argilosa e em períodos secos, parecem aceitar as doses cheias do sulfentrazone sem problemas.”
Com relação a aplicação, o gerente de produtos herbicidas e cana-de-açúcar da Ourofino Agrociência afirma que esta deve ocorrer em até um dia antes do transplantio das mudas. Isso diminuirá o período de convivência entre as MPBs e os herbicidas no solo e, consequentemente, fará com que as mudas transplantadas sejam pouco prejudicadas pelo defensivo.

Após o transplantio, não deve ser aplicado herbicida de imediato, permitindo que as mudas pré-brotadas possam se estabelecer sem impedimentos. “Entretanto, devido à diversidade e à densidade populacional da flora daninha, há necessidade da realização de uma aplicação sequencial em 30 a 60 dias após o transplantio, sempre visando atingir o solo e não as folhas”, finaliza Toledo.

Veja matéria completa na editoria Fitotécnico na edição 43 da revista Digital CanaOnline. No site www.canaonline.com.br você pode visualizar as edições da revista ou baixar grátis o pdf.
Mas se quiser ver a edição com muito mais interatividade ou tê-la à disposição no celular, baixe GRÁTIS o aplicativo CanaOnline para tablets e smartphones - Android ou IOS.


Fonte: CanaOnline
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •