USDA espera aumento da produção e uso do milho nos próximos anosvoltar

Publicado em : 28/06/2017
USDA espera aumento da produção e uso do milho nos próximos anos

Os Estados Unidos devem manter uma trajetória de aumento na produção e nas diversas utilizações do milho nos próximos anos. Foi o que afirmou, nesta terça-feira (27/6), o vice-economista chefe do Departamento de Agricultura (USDA), Warren Preston, usando como referência estimativas até o ano de 2026.

"Esperamos que a produção de milho continue aumentando até 2026. Esperamos também que o uso para ração e as exportações continuem a crescer, para atender a demanda da produção de carnes, que também é crescente", disse ele, durante o Ethanol Summit, promovido pela União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), em São Paulo (SP).

No caso do etanol de milho, a expectativa representante do governo dos Estados Unidos é de aumento no uso do grão até pelo menos o ciclo agrícola 2018/2019. Depois disso, a expectativa é de que volte aos níveis de 2014 e 2015.

Essa elevação do processamento de milho para etanol, pelo menos nos próximos dois ciclos agrícolas, deve ocorrer mesmo em meio a uma queda da rentabilidade do setor no país. Em sua apresentação, Preston exibiu um gráfico segundo o qual houve um pico de resultados positivos entre 2013 e 2014, com redução nos anos seguintes.

"Depois de um período de alta rentabilidade entre 2013 e 2014, a rentabilidade do etanol vem sendo pressionada principalmente pelos preços declinantes do petróleo, bem como os preços do milho", disse, pontuando que as cotações do óleo têm caído mais rápido que as do cereal.

O economista do USDA ressaltou que a participação dos renováveis na matriz de combustíveis dos Estados Unidos vem aumentando. Lembrou que tanol e biodiesel ajudam a reduzir emissões de gases de efeito estufa. Ele disse que a tendência é a participação da energia renovável continuar aumentando. Até o ano de 2022, de acordo com a própria legislação do país, a expectativa é de que só o etanol de milho chegue a 36 bilhões de galões.


Comércio e cooperação

Sem fazer referência direta à reivindicação da indústria brasileira, para que o governo federal estabeleça uma tarifa sobre o etanol importado, Preston ressaltou que Brasil e Estados Unidos são os maiores produtores e consumidores de biocombustíveis, além de serem interdependentes.

"Os dois países têm um longo histórico de benefícios comerciais mútuos e cooperação na bioeconomia. Nos biocombustíveis e no etanol, em particular, queremos que essa cooperação continue. Devemos lutar contra o protecionismo", disse o economista do USDA.

Raphael Salomão


Fonte: Revista Globo Rural
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •